31 de out de 2011

E esse/seu amor...?

     Indescritível, irracional, inevitável, incomparável... Tantas descrições e ao mesmo tempo nenhuma capaz de qualificá-lo de forma precisa e exata.
     Exitem tantos tipos, formas, cores, sabores... Pais, por Deus, altos, irmãos, amigos,negros, brancos, gordos, índios, magros, lisos, sorridentes, cacheados, mal humorados, castanhos, baixos, pretos, simpáticos, azuis... Tantas particularidades que não cabem a mim ( nem a ninguém)  tentar descrever todos, apenas lembrar-los.
     Cada qual ama a sua maneira, conserva (ou não) a sua maneira. Mas ninguém sabe explicar (nem deve) como iniciou, por qual motivo e quando terminará ( ou não). Alguns duram uma vida toda, outros um breve espaço de tempo, mas uma qualidade comum é a intensidade. Ninguém ama nada pela metade ou um pouco, quando se ama é por completo, intenso, incondicional e constante. Constante na cabeça, na alma e no coração.
   Não se pode negar, controlar, esconder ou evitar. Transforma até as piores ( e melhores) almas. Desperta os melhores sentimentos e sensações...

    Eu sei, isso não é novidade...

    Mas o que eu vos pergunto, é o que vocês realmente fazem para conservar o que possuem?
   Quantos tempo vocês se propõem a dedicar a essas pessoas?
   Como demonstram esse amor? (palavras não são tão necessárias)

    E quando elas não estiverem mais ao seu lado? As únicas coisas que lhes restarão será a SAUDADE e as LEMBRANÇAS.
  
   Qual o peso das duas vocês preferem carregar em maior quantidade?






P.S: Lembrem-se que a saudade dói, e as lembranças, que sejam boas e inesquecíveis. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário